Fraternidade “O Caminho”

Instituto das(os) Pobre de Jesus Cristo

POBRES: Somos pobres porque Jesus foi pobre. A essência da nossa pobreza consagrada é a plena identificação com a d’Ele” (NF 30).

Nessa afirmação extraída das Nossas Fontes encontramos o fundamento pelo qual escolhemos ser pobres. Deus, ao entrar na história, escolheu a pobreza como via de salvação: “Pois conheceis a graça de Nosso Senhor Jesus Cristo, que sendo rico, se fez pobre…” (2Cor 8,9).  Ora, se Deus quis salvar o mundo por meio dessa via como poderemos nós, seus seguidores, escolher outra? (NF 31). Assemelhados a Ele queremos nos tornar pobres com os pobres, como os pobres e para os pobres (NF 49).

DE JESUS: Não somos seguidores de uma ideia e nem tampouco de uma causa humanitária, somos seguidores de uma Pessoa. Somos seguidores de Jesus de Nazaré. Ele é a Palavra de Deus encarnada no tempo, numa história humana, num povo, numa família. Ele é Aquele que se esvaziando da sua glória, tomou a forma humana (Fl 2,6-11).

Desde então a Palavra já não é apenas audível, não possui somente uma voz, agora a Palavra tem um rosto, que por isso mesmo podemos ver: Jesus de Nazaré” (Exortação Apostólica Verbum Domini, Papa Bento XVI). Nascido de Mulher, descendente de Davi, cresceu e viveu no meio de nós conforme nos revela as Escrituras e atesta a história. Como qualquer pessoa, Ele sentiu fadigas, fome, sede, dor e morte. Na sua humanidade realizou plenamente a vontade do Pai, mostrando-nos assim que também nós a podemos realizar na nossa.

CRISTO: Esse Jesus, filho de Deus encarnado na história, é o Cristo, o Messias. Nele se cumprem as promessas feitas à antiga Israel: “Uma Virgem conceberá e dará à luz um filho, e o chamará ‘Deus Conosco’” (Is 7,14). Ele é aquele do qual os Anjos anunciaram na noite de Natal; “Não temais, eis que vos anuncio uma boa nova que será alegria para todo o povo; hoje nasceu na cidade de Davi um Salvador que é o Cristo Senhor” (Lc 2,11).


Nossas Missões

Enquanto nossa missão aqui em nosso Mosteiro do Instituto das Pobres de Jesus Cristo se realiza com os joelhos dobrados e o coração prostrado em oração e adoração por nossos irmãos e irmãs que se consomem nas ruas, nas cadeias e nas cracolândias da vida, gostaríamos de apresentara a vocês nossas missões como corpo desse Carisma.

Missão Anawin

O segundo serviço pastoral de nossa Obra foi com a população em situação de rua. Esse serviço foi uma decorrência lógica do primeiro. Muitos dos jovens que chegavam a nós, com problemas de drogas, já estavam em situação de rua, sobretudo os que eram usuários de crack.

Essa missão tem duas frentes de serviços: a ida às ruas, às cracolândias e às periferias e o acolhimento nas nossas casas de passagem. Nisso reside o bom resultado do nosso serviço. Ir aos lugares onde os ‘filhos’ se encontram, favorece a criação de um vínculo de confiança pois, os conhecemos pelos nomes e por suas histórias, além do que, eles sabem que podem contar conosco diante de qualquer situação como, por exemplo, da doença, da violência, da necessidade de atenção pessoal, etc. Isso será um fator decisivo na hora em que ele decidir pedir ajuda para sair do uso ativo da droga e da situação de indigência. Temos muitas histórias de “filhos” que vieram apenas para ter uma morte digna conosco. Um desses casos foi o sr. Jarbas que, já estando hospitalizado na UTI disse: Vivi a vida toda como um bicho, mas agora posso morrer como um filho de Deus.

 Por que chamamos Missão Anawin? Anawin é uma palavra hebraica, encontrada em muitos textos da Sagrada Escritura. Significa “os pobres de Javé”, ou seja, os pobres de Deus. É uma palavra que está no plural. Os pobres são aqueles desprovidos de bens materiais, que experimentam o sofrimento e a injustiça por causa da sua condição de pequenez, fragilidade e dependência. Mas anawin são, principalmente, aqueles que depositam a sua confiança em Deus.

Missão Dimas

“Estava na prisão e vieste a Mim” (Mt 25, 36).

O terceiro serviço pastoral de nossa Fraternidade foi com os presos. Também, aqui, podemos encontrar a mesma dinâmica que nos levou ao encontro daqueles que se encontravam em situação de rua. O uso ativo de drogas e vinculação ao tráfico, arrastou muitos jovens ao sistema carcerário.

 O trabalho, quase sempre, é realizado em conjunto com a Pastoral Carcerária. A pedagogia consiste na criação de laços de amizade, em momentos de oração e partilha, na preparação e monição da Santa Missa, na preparação para os Sacramentos, na viabilização de algumas necessidades dos presos na área jurídica, da saúde ou familiar.

 Atuamos em presídios masculinos, femininos e centros de detenção para menores.

 Por que chamamos Missão São Dimas? Conforme a tradição, Dimas seria o nome do ‘bom ladrão’. O bom ladrão, depois de vacilar (Mt 27,44; Mc 15,32), confessou a própria culpa, reclamou da injustiça contra Aquele que só fez o bem, reconheceu-O como Rei e lhe pediu que se lembrasse dele, quando estivesse no seu Reino.  Foi o primeiro que entrou no céu: “Ainda hoje estarás comigo no Paraíso”. (Lc 23,43). Ele passou a ser popularmente considerado “Padroeiro dos pecadores arrependidos da hora derradeira e dos encarcerados”. Mereceu a honra de ser canonizado ainda em vida pelo próprio Jesus.

Missão Sede Sóbrio

“Sede sóbrios e vigiai. Vosso adversário, o demônio, anda ao redor de vós como o leão que ruge, buscando a quem devorar. Resisti-lhe fortes na fé” (1Pd 5, 8-10).

Nossa Fraternidade teve, como primeiro trabalho pastoral, a acolhida de jovens usuários de droga ou oriundos do tráfico. Esse foi o primeiro grito que ouvimos, provenientes, das periferias existenciais.

 Hoje, a missão Sede Sóbrios envolve o tratamento terapêutico, o acompanhamento pós-tratamento e o acompanhamento das famílias dos nossos acolhidos.

 Os encontros semanais, também chamados de “sala de apoio”, garantem a manutenção da sobriedade durante o período de ressocialização. Existem, ainda, os encontros regionais, e os Fóruns Nacionais e Internacionais que reúnem todos aqueles que, na Fraternidade, se ocupam desse trabalho: consagrados, leigos, acolhidos e ex-acolhidos, profissionais da área da saúde e social.

 Alguns dos “Filhos Prediletos”, como chamamos os nossos acolhidos, após o tratamento terapêutico inicial, permanecem conosco como ‘missionários’, coordenando as casas terapêuticas, ajudando nas casas de passagem, ensinando algum oficio profissional, etc.

Missão Madalena

Nosso Senhor, no Evangelho de Mateus 21, 31, nos ensina que “as prostitutas vos precederão no Reino de Deus”.

Com o olhar misericordioso de Jesus, que acolhe e não faz acepção de pessoas, nosso carisma se volta também para aquelas mulheres que, por vários motivos, se encontram em situação de prostituição e usam seus corpos como meio de sobrevivência.

 Nossa Fraternidade vai ao encontro dessas mulheres, vítimas do descaso e da falta de oportunidade, nos mais variados lugares onde elas se encontram: nas zonas meretrícias, nas ruas, nas praças, etc. Nessa ocasião, aproveitamos para rezar com elas e para escutá-las. Em alguns países temos, ainda, a oportunidade de fazermos encontros periódicos com elas onde, além da oração, se abordam temas relacionados a sua realidade e as suas necessidades.

Galeria de imagens