Sacramento da Penitência

O sacramento da penitência, também conhecido como confissão dos pecados, oferece ao pecador a cura de suas misérias e libertação espiritual de suas culpas. Assim, tal realidade sagrada nasce do amor misericordioso do Coração de Jesus, que tanto ama a humanidade. Falar de confissão é falar de misericórdia! 

Num tribunal civil são apresentadas as acusações de crimes e o juiz profere sentença e aplica a pena. No sacramento da penitência, os crimes também são confessados, porém mergulhados no verdadeiro arrependimento. Neste tribunal da misericórdia onde se encontra o ser humano ferido pelo pecado, só há uma sentença: a absolvição. 

Quando o sacerdote pronuncia: “eu te absolvo dos teus pecados”, a palavra “eu” demonstra que é o próprio Cristo que realiza o sacramento do perdão através do ministro, ou seja, o sacerdote. Desse modo, não tenhamos medo e nem vergonha de se aproximar do amor misericordioso de Jesus que procura nos salvar. 

Deixar de procurar o sacramento da confissão, é permitir que nossa alma se acorrente cada vez mais aos pecados. Por isso, é preciso firme determinação para romper com o pecado e buscar a cura no lugar certo: a confissão. 

O primeiro passo para realizar uma boa confissão é a humildade em reconhecer os pecados de forma específica e não apenas genericamente. Assim, pecado a pecado reconhecido, contamos com a graça de Deus para lutar e perseverar na graça. É reconfortante saber que Deus nos resgata pelo sacramento e nos devolve a vida com Ele.

Terminamos com o seguinte parágrafo do catecismo da Igreja Católica: Toda a eficácia da Penitência consiste em nos restituir à graça de Deus e em unir-nos a Ele numa amizade perfeita. O fim e o efeito deste sacramento são, pois, a reconciliação com Deus. Naqueles que recebem o sacramento da Penitência com coração contrito e disposição religiosa, seguem-se-lhe a paz e a tranquilidade da consciência, acompanhadas duma grande consolação espiritual. Com efeito, o sacramento da reconciliação com Deus leva a uma verdadeira ressurreição espiritual, à restituição da dignidade e dos bens próprios da vida dos filhos de Deus, o mais precioso dos quais é a amizade do mesmo Deus. (Catecismo, 1468)

Padre Alex de Oliveira Nogueira

Artigo anteriorA Direção Espiritual
Próximo artigoA Santa Missa

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui