Memória e Gratidão

“Quem vos chamou é fiel, e é Ele que agirá” (I Ts 5,24)

Não há ingratidão na alma quando o coração se deixa plasmar pela graça. Neste ano de dois mil e vinte e dois, Nosso Senhor nos dá a oportunidade de celebrar dez anos de vida contemplativa. Em tal ensejo fazemos memória de alguns marcos profundos da Providência Divina ao longo da nossa história.

Quando no dia dois de março do ano dois mil e doze, iniciou a vida contemplativa das Pobres de Jesus Cristo, era muito claro que Deus nos pedia algo e isto estava intrinsecamente ligado às próprias necessidades do nosso tempo. Haja visto que este Mosteiro estava surgindo entre os meados do Ano Sacerdotal proposto pela Santa Igreja, por ocasião do 150° aniversário de nascimento de João Maria Vianney, o Cura D’ars, e o Ano da Fé, devido o 50° aniversário de abertura do Concilio Vaticano II. Em ambas temáticas um campo vasto de objetivos bem acentuados a serem atingidos, entre eles: O convite aos padres a tomarem consciência da grandeza do dom que são para o povo e o convite a todo povo para uma conversão ao Senhor único e salvador do mundo, chamados a CRER e ANUNCIAR. (Papa Emérito Bento XVI)

Hoje, fazer memória de acontecimentos tão recentes é em tudo enaltecer o nome de Deus, por que Ele é fiel. O fato de saber que a nossa decisão está dentro das escolhas de Deus, nos faz escolher sempre Aquele a quem decidimos doar e gastar nossas vidas, pois Quem nos escolheu é eterno. Foi neste momento que o Altíssimo nos encerrou para sermos testemunhas do Cristo Ressuscitado.

Assim a vida monástica na Igreja pode ser comparada com as mulheres que bem cedinho foram ao sepulcro onde colocaram Jesus, longe de querer reduzir o mar em gotas, mas considerando que as gotas também são o mar, foi neste primeiro sujeito da fé que é a Igreja, que nos decidimos derramar em gotas por amor ao consumador da nossa fé. (Heb 12,2)  

Por fim, nos dirigimos ao glorioso São José com louvores pela sua proteção. Chegamos aqui na diocese de jacarezinho no ano de dois mil e catorze (em que vivíamos o ano de São José no Carisma das(os) Pobres de Jesus Cristo e no ano passado (2021) o qual a Igreja decretou o ano de São José, ganhamos o terreno para construir o nosso Mosteiro.

Nos confiamos a seu patrocínio porque como pai da vida interior e guardião das virgens, nos ajudará a viver escondida em Cristo, somente para Cristo.

Tudo para a honra e glória de Deus!

Por uma monja, Pobre de Jesus Cristo

Artigo anteriorHistória da Igreja
Próximo artigoA adoração reparadora é um verdadeiro apostolado

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui